sábado, 20 de agosto de 2011

Tudo começa em Deus (Livro "Uma vida com propósitos - Rick Warren)


“Pois tudo, absolutamente tudo, nos céus e na terra, visível e invísivel, todas as coisas começaram nele e nele encontram propósito”. (Cl 1:16 Msg)
Nascemos de acordo com o propósito de Deus e para cumprir os propósitos de Deus, por isso para descobrirmos o propósito de nossa vida é preciso que voltemos para Deus.
Somente ele como nosso Criador e Fabricante tem prescrito corretamente um “manual do fabricante” com a descrição da finalidade de nossa vida. Esse manual é a própria palavra de Deus. Pois é nela que encontramos os pensamentos de Deus para cada um de suas criaturas e filhos individualmente.
Deus não é apenas o ponto de partida de nossa vida, mas também é a fonte de nossa vida, nesse sentido cabe bem a citação de um ateu chamado Bertrand Russell que diz: “A menos que se admita a existência de Deus, a questão que se refere ao propósito para vida não tem sentido”.
Somente o Senhor pode nos revelar o porque fomos criados e o pra quê fomos criados, isso se dá mediante relacionamento com o Espírito Santo, pois o Espírito conhece todas as coisas até mesmo as profundezas de Deus.
Existem pelo menos dois modos de descobrirmos nosso propósito que são:
1.     Especulação, conjetura, suposição, teoria
Esse é o método empregado pela maioria das pessoas. Houve uma pesquisa feita em Illionis nos EUA entre 250 filósofos, cientistas... e a única questão abordada foi “Qual o propósito da vida?”. A maioria admitiu ter inventado um propósito, outros seguiram o caminho mais fácil e atrativo, mas outros admitiram nunca saber qual o propósito da vida. Essas pessoas estavam presos a especulação, teoria.
2.     Revelação
Essa revelação está disponível para os pequeninos crentes em Cristo. E ela se encontra dentro da Bíblia Sagrada que é a infalível palavra de Deus.
Os grandes personagens bíblicos sempre que foram iluminados registram:
“Veio a mim a Palavra do SENHOR dizendo”, “O SENHOR me disse”; isso porque a palavra é o canal da revelação;
Benny hinn no seu livro “A tua vontade, Senhor, e não a minha” diz sete meios pelos quais podemos descobrir a vontade de Deus, e o primeiro mencionado lá é a palavra.
O Pr. César Castellanos diz que “A Palavra é o mapa e o Espírito Santo é guia” que nos levarão aquilo que Deus tem para nós!
Quando quisermos descobrir o significado da nossa existência de Deus, voltemos para sua palavra. Pois lá é nosso manual!

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Alguns dos ofícios do crente segundo a Bíblia

Os ofícios do crente
1.       Embaixador do Reino dos céus (2 Co 5:18-21)
Embaixador é o mais alto representante de um país dentro de outro. Quando Deus nos confiou a embaixada do seu reino celeste aqui na terra, na verdade, ele estava nos confiando toda a autoridade de pisar nas serpentes e escorpiões e toda força do inimigo além de podermos ligar o que quisermos na terra e nos céus mediante o Espírito Santo (Mt 18:18; Lc 10:19; At. 1:8).
Nós temos em nós as boas notícias que o mundo aguarda, nós somos os arautos atuais do Rei.
Toda a criação está à nossa espera (Rm 8:22). Os que querem entrar no reino de Deus dependem da nossa intercessão constante, dependem de nossa pregação da mesma forma que um imigrante precisa do visto do embaixador para permanecer no país se for estrangeiro.
Se alguém ainda não se converteu é porque nós como embaixadores de alguma forma temos permitido que isso aconteça. Estima-se que 90% de Jerusalém na época apostólica tenha-se convertido porque os cristãos da época eram todos embaixadores leais do seu Rei.
Em algumas parábolas, Jesus conta-nos a estória de um rei que deixou seus servos como seus embaixadores na terra e deu-lhes poder sobre todos os seus bens e servos. Quando esse rei regressou para seu país, pediu contas de cada um dos seus embaixadores (Mc  13:34-37), da mesma forma também o Senhor Jesus quando retornar pedirá contas de como fomos embaixadores do seu reino nesse mundo. (Ec  12:14)
Dentre as muitas funções do embaixador estão ser prudente e alimentar os conservos
(Lc  12:42).
É por essa razão que os primeiros cristãos apregoavam como Jesus: “É chegado o reino dos céus”.  (Mt 4:17; 10:7)
Todos os embaixadores naturais quando cientes de que há algum conterrâneo seu prisioneiro, ele logo quer libertá-lo. De igual modo, nós temos que libertar os homens da mão do diabo, porque todos fomos criados a Imagem e Semelhaça do Deus Todo-Poderoso. (Ml 2:10)
O espaço que a igreja não tem usado é o diabo que tem usado. Porque quando a igreja ataca o inferno retrocede. (Mt 16:18)
O diabo só tem agido na terra ao longo dos milênios porque alguns homens decidiram-se por se deixarem ser instrumentos seus, se nós com o evangelho que é poder de Deus os alcançarmos, o diabo não terá mais como agir. Evidentemente que haverá perfeição somente nos céus com Deus, pois enquanto na terra, os homens não regenerados têm em si o desejo pela rebeldia contra o Deus de Jacó. Mas pelo menos, como embaixadores do reino, podemos amenizar os efeitos devastadores do império das trevas no planeta.
Que possamos ser embaixadores leais ao chamado que o Senhor nos confiou e o cumpramos cientes de que nele (O Senhor) receberemos galardão. (Ap 22:12)
2.       Pescador de Homens (Mt 4:19)
De certo modo, somos nós quem escolhemos quem entrará ou não no reino dos céus, porque como um pescador que apanha uma variedade de peixes na sua rede e seleciona os melhores para seu consumo  e venda, assim também quando nós pregamos estamos de certa forma selecionando os que entarão no reino de Deus. Evidentemente o Senhor nos ordenou a pregar a todos indistintamente (Mc  16:15), mas vemos que a priori os apóstolos partiram para seus conterrâneos judeus e muito tempo depois para os gentios.  Estima-se que entre a ascensão do Salvador e a missão aos gentios tenha-se passado ao menos 20 anos.
De certa forma, o Senhor ao escolher 12 apóstolos de um grande número de seguidores, estava selecionando aqueles que seriam a equipe de governo de sua igreja.
Por isso não há nada de errado em selecionar crentes fervorosos para andar em seu lado.

Quando falo que escolhemos quem entrará no reino, não estou dizendo com isso que uns devam entrar e outros não, mas estou dizendo que fazemos o melhor para alcançar todos, mas se não alcançamos todos, vamos aproveitar melhor a oportunidade que os que querem entrar no Reino nos dão.  Foi isso que o apóstolo Paulo fez vendo que os judeus resistiam a mensagem do evangelho daí ele partiu para os gentios (At. 13:46,47).
Escolher homens nesse contexto é aproveitar para salvar aqueles que nos dão maior abertura a palavra. Isso quer dizer que não fazemos distinção se anteriormente aquele que hoje é cristão por nosso intermédio era traficante, cafetão, prostituta, ladrão, bêbado, homicida, mentiroso, caloteiro ou qualquer outra coisa. Queremos salvar todo tipo de pessoas, mas nem todas querem entrar no reino de Deus. Por isso o Senhor nos ensinou que muitos procurarão entrar na porta estreita e não poderão, pois não valorizaram o convite para a bodas do Filho Primogênito de Deus (Mt 7:13,14; 22:1-14; Lc 14:15-24).
É interessante dizer que para o crente pescador de homens, importa obedecer algumas coisas:
Ø  Integralmente e plenamente a Deus (At. 5:29)
Ø  Lançar sua rede sobre a palavra viva de Deus (Lc 5:5)
Ø  Ter ousadia (Pv 28:1; 2 Tm 1:7)
Ø  Orar ( Lc 18:1-7; 1 Ts 5:17)
Ø  Ser dirigido pelo Espírito Santo (Jo 16:13; At. 11:12; 2 Pe 1:20,21; 2 Tm 3:16,17; Sl 32:8)
Ø  Depender de Deus (Jo 3:27)
Ø  Humilhar-se diante de Deus (Mt 23:12; Lc 14:11; 18:14; 1 Pe 5:6,7)
Ø  Ir até onde os pecadores estão (Mt 28:19; Lc 14:21)
Ø  Ser um obreiro aprovado (2 Tm 2:15)
Ø  Obedecer as leis morais (1 Tm 3:1-16)
Ø  Ser servo (Mc 10:32-45)
O pescador trabalha a noite toda, como os discípulos nos ensinaram. Da mesma maneira, nós devemos trabalhar na seara de Deus quando o mundo todo dorme (Mt 9:35-38; Rm 13:11-14).
O choro pode durar toda a noite, mas a alegria vem pela manhã (Sl 30:5), o sol da conversão brilhará no nosso ministério se formos fiéis no pouco então Deus nos colocará no muito
 (Lc 16:10).
3.       Cristão (At. 11:26)
Cristão é um seguidor de Cristo, um pequeno Cristo. Aquele que age como Jesus agia (1 Jo 2:6).
No início da igreja, alguém ser chamado de cristão era uma afronta, por essa razão o apóstolo Pedro recomenda aos discípulos: “Se pelo nome de Cristo sois vituperados, bem-aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito da glória, o Espírito de Deus. Que nenhum de vós, entretanto, padeça como homicida, ou ladrão, ou malfeitor, ou como quem se entremete em negócios alheios; mas, se padece como cristão, não se envergonhe, antes glorifique a Deus neste nome.” (1 Pe  4:14-16).
Em épocas  apostólicas, os cristãos eram conhecidos como “Os do Caminho” (At. 9:1), pois o Senhor é o Caminho (Jo  14:6). Inicialmente, o cristianismo era considerado uma ramificação do judaísmo, por causa disso, alguns césares não impediram sua propagação de imediato por violência.
Inicialmente as colunas da Igreja (Pedro, Tiago O justo, e João) não se abstiveram das práticas judaicas como se vê em At. 10, Aramis C. de Barros, diz que foi necessário pelo menos 20 anos para que o cristianismo alcançasse definitivamente sua distinção do judaísmo.
Não nos tornamos cristãos por freqüentar a igreja, orar, ler a bíblia, jejuar, pagar votos, dizimar, evangelizar, adorar ou ter uma boa índole ou fazer qualquer outra coisa, mas tornamos cristãos ao nascer do Espírito Santo (Jo 3:3,5). Deus tem filhos e filhas, mas nunca netos e netas.
O  N.T. apresenta alguns requisitos indispensáveis para ser cristão que são:
Ø   Arrependimento – Mt 3:8
Ø  Tomar a Cruz e seguir Jesus – Mt 10:37,38
Ø  Confessar Jesus publicamente – Lc  12:8; Rm 10:9,10; 1 Tm 6:12
Ø  Receber Jesus como seu Salvador e Messias – Jo 1:12
Ø  Ser testemunha do que viu e ouviu do Senhor Jesus – At. 1:8; 22:15; 26:16; 2 Pe 1:16
Ø  Ser cheio do Espírito Santo – At. 2:4; 13:52; Ef 5:18
Na época apostólica haviam alguns que saíram do cristianismo e tornaram-se anticristos
(1 Jo 2:18,19), esses são os mesmos que introduziram heresias destruidoras a ponto de negarem o Soberano Senhor que os resgatou (2 Pe 2:1). Esse é o cumprimento da parábola do trigo (cristãos genuínos, autênticos) e do joio (crentes falsos, desonestos) na qual o Senhor disse que cresceriam juntos até a ceifa (colheita). É triste dizer, mas desde os tempos apostólicos as heresias saíram do meio do cristianismo.  As Testemunhas de Jeová, por exemplo, tiveram como líder principal um chamado Charles Tize Russel que por não ser ordenado pastor na igreja batista, agregou um grupo de 250 pessoas e iniciou seu segmento religioso. A igreja Católica Apóstolica Romana saiu da Igreja de Atos, porque após o concílio de 311 DC, Constantino adotou o cristianismo como religião oficial do império romano e como Roma era um império que apregoava liberdade religiosa, muito dos ritos pagãos entraram no cristianismo gerando hoje a maioria dos dogmas católicos existentes.
Se alguém não apresenta Jesus como Senhor absoluto no centro de sua vida, de maneira nenhuma é cristão.  Será que nossa geração assemelha-se a primeira igreja cristã da história?

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Busco o teu reino até encontrá-lo, Senhor!

“Mas buscai primeiro o reino de Deus e a sua justiça e todas estas coisas vos serão acrescentadas” – Mt 6:33
Falaremos agora sobre o reino de Deus, vejamos como o reino de Deus aplica-se a nossa vida:
1.      Devemos querer encontrar o reino de Deus
Em grego, a palavra buscar encerra em si a idéia de alguém que procura até encontrar. É a palavra grega “Zeteo”.

É como a parábola da mulher que perde uma moeda e varre toda a casa até encontrá-la.

Nós podemos orar querendo obter respostas específicas, ler a palavra querendo encontrar alimento para a nossa alma para transformá-la de glória em glória pelo Espírito.

Precisamos, porém, de muita determinação nessa busca porque muitos desaminam no meio do caminho como o Demas, discípulo do apóstolo Paulo, de quem o apóstolo diz:“Porque Demas me desamparou amando o presente século e foi para talmácia”.
Jesus ensinou que aquele que procura encontra. Aquele que pede recebe e o que bate a porta lhe será aberta.
É tempo de buscarmos o reino de Deus com o propósito de encontrá-lo. É tempo de orar pedindo a Deus que desvende diante de nós as maravilhas da tua lei, de contemplarmos a face do Onipotente!
2.      O reino de Deus deve ser prioridade:
Em grego, a palavra primeiro encerra em si a idéia de tempo e lugar. Em grego é “Proton”
 É como Maria e Marta diante de Cristo, uma estava dando o melhor do seu tempo e de sua casa, enquanto a outra estava demasiadamente ocupada com a tarefa do lar.

Devemos orar primeiro, ler a palavra primeiro ao acordar, como Willian Dobie dizia a Wesley:“é boa coisa falar com Deus e ouví-lo primeiro do que falar e ouvir homens, nunca encontrei nada que se comparasse a vigília matinal como fontes de bênçãos”.

Será que Deus têm se agradado de nosso devocional em sua presença santa? Será que o espaço dedicado ao nosso Deus é excelente em nossa residência?
3.      O acréscimo virá com o Reino:
Quando nós fizermos o que deve ser feito.

A palavra justiça em grego encerra em si essa idéia, quando nós fazemos o que devemos fazer, Deus abre a porta das suas bênçãos sobre nós. Jesus fez o que tinha de ser feito por isso é chamado de o Justo. Ele tinha de ir a cruz e foi. Ele tinha de se fazer humano para completar em si o plano da redenção e o fez. O que Deus tem pedido a nós e não temos feito?

Em grego justiça é dikaiosune.
Quando obedecermos integralmente a Deus.

A palavra reino em grego é basileia. Significa: Governo, soberania.
O soberano deve ser obedecido, o governo deve ser acatado.  O Senhor Jesus ensinou que aquele que entra no governo (Reino) de Deus é aquele que o obedece.
Pessoalmente.
A gramática grega no fim do versículo fica assim: “humin tauta prostithemi”, ou seja, literalmente: e estas coisas serão acrescentadas ou colocadas ou ainda adicionadas em vocês”.

O que Jesus estava dizendo era que o acréscimo é pessoal. Deus o Pai acrescentará em sua vida.
Que possamos dizer e orar: “Venha o teu reino sobre nós”. Faça chover justiça sobre nós; Vem Espírito Santo! Que possamos conclamar como a primeira igreja: “É chegado o reino dos céus”

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Deus se lembra de Você?

“Em verdade vos digo que muitas viúvas existiam em Israel nos dias de Elias, quando o céu se cerrou por três anos e seis meses, de sorte que em toda a terra houve grande fome; E a nenhuma delas foi enviado Elias, senão a Sarepta de Sidom, a uma mulher viúva. E muitos leprosos havia em Israel no tempo do profeta Eliseu, e nenhum deles foi purificado, senão Naamã, o sírio”. (Lc 4:25-27)
Vamos relembrar quem são os personagens citados aqui nesses versos:
1.      Elias: Seu nome significa: O SENHOR  é meu Deus. Sua história está registrada
entre 1 Reis 17 e 2 Reis 2. Elias fez grandes e tremendos milagres como ressuscitar um filho de uma viúva, fez fogo cair do céu, foi arrebatado para Deus numa carruagem de fogo. É interessante dizer que todas as mensagens de Elias se cumpriram. Elias foi um profeta solitário pois era considerado um provinciano vindo de Gileade, ficou escondido por dois anos na casa da viúva de Sarepta, fugiu para o deserto temendo represálias de Jezabel por ter matado seus falsos profetas indicando mais uma vez sua vida solitária. Elias representava Moisés pois ambos estiveram em Horebe e foram alimentados sobrenaturalmente por Deus, representa Israel e Josué, pois atravessou como eles o Jordão, mas na direção inversa, representa o NT, pois João Batista vem no espírito de Elias.

2.      Eliseu: Seu nome significa: O meu Deus salva, o meu Deus é salvador. Vemos em Eliseu o exemplo de alguém abnegado e altruísta, pois deixou sua família amorosa e rica para abraçar o seu chamado. Se considerava o filho espiritual mais velho de Elias, por porção dobrada era o que o primeiro filho recebia do pai. Também tipificava Josué, pois atravessou Jordão e “removeu” a maldição que repousava em Jericó e seus habitantes. Profetizou para Monarcas, Profetas e para o Povo. Eliseu representava uma porção balanceada da “bondade e da severidade de Deus”, pois abençoava os que se humilhavam como Naamã e castigava os desobedientes como Geazi.
3.      Naamã: Seu nome significa: Agradável. Comandante da Síria, leproso, curado por Eliseu ao mergulhar 7 vezes no rio Jordão. Experimentou uma poderosa transformação, pois de um  general arrogante e orgulhoso se tornou um humilde servo de Deus.
4.      Viúva de Sarepta: Morava na Fenícia, região que cultuava Baal, o deus das chuvas, por isso o Deus de Israel enviou a essa região três anos e meio de seca. Ela nos ensina que Deus se lembra dos obedientes e fiéis a Ele!
O que você e eu estamos fazendo para que Deus se lembre de nós como Deus se lembrou de Naamã e da viúva de Sarepta de Sidom? Em meio a uma multidão de pessoas, Deus, o Pai se lembrou deles de modo especial.
Será que se atualmente ocorresse algo semelhante, Deus o Pai se lembraria de você de modo especial como se lembrou deles?
O que foi que eles fizeram que chamou a atenção de Deus de tal maneira?
1.      Eles sabiam quem Deus era
Elias e Eliseu representam isso basta somente analisar o significado dos seus nomes. Você sabe quem teu Deus é? Você sabe o que teu Deus quer de você?
2.      Eles procuravam agradar a Deus
Naamã representa isso, analise seu nome. Você tem agradado aos homens ou a Deus? Lembre-se do que o apóstolo Paulo dizia: “Se eu quero agradar os homens não posso ser servo de Cristo”. O apóstolo Paulo dizia também: “Procuro agradar Cristo sempre, pois comparecerei diante de seu tribunal”. A quem você quer e têm agradado?
3.      Eram humildes e obedientes
Humildes como Naamã ao mergulhar no rio Jordão e obedientes como a viúva. Sempre que alguém é humilde é também obediente a Deus e sempre que alguém é obediente torna-se humilde. Seu nível de humildade é medido pelo nível de obediência. Como anda seu nível de obediência e humildade?
O desejo do meu coração é que Deus se lembre de mim como ele se lembrou de Noé no fim do dilúvio. E qual é o seu desejo?