sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Os tesouros escondidos


Tema: Os tesouros escondidos
Texto: Mt. 13:44

Introdução: Esse versículo compartilha conosco algumas verdades espirituais na forma de parábola. Parábola é uma ilustração terrena que ensina verdades espirituais. Vejamos quais são essas verdades:

1.       Precisamos ser diligentes:

Qualquer campo a céu aberto é facilmente visto por todos, alguns chegam mesmo a passear por ele, alguns chegam a permanecer sobre ele boa parte do tempo, mas somente alguns descobrem se nesse campo há algo de valor. O homem que descobriu o tesouro, foi diligente, pois o campo era acessível a todos mas ninguém até então havia descoberto aquele tesouro.

Essa é uma verdade profunda pois todo mundo vê, todo mundo passa mas  não percebe o tesouro. Os  tesouros estão disponíveis a todos, mas poucos desfrutam deles, pois precisam ser procurados diligentemente.

2.       Precisamos discernir o valor real de cada coisa:

Ninguém desconfiava do real valor daquele campo, ninguém imaginava que houvesse ali um  tesouro “escondido, oculto”.  Provavelmente ninguém pagaria uma boa quantia de dinheiro naquele campo sem o prévio conhecimento de que lá houvesse um tesouro, haja vista que o homem só comprou o campo por causa do tesouro.

Os bons tesouros estão em oportunidades que a maioria desperdiça.  Exemplo disto é o Senhor Jesus, que revolucionou o mundo com pessoas que aparentemente não tinha nada a oferecer, uma mulher pecadora, lavou seus pés com lágrimas e o enxugou com os cabelos. É verdadeiro o ditado “não se deve julgar o perfume pelo frasco”.

3.       Precisamos ser persistentes:

Os tesouros estão ocultos, precisamos garimpar a área para encontrá-los. Não podemos desistir de algo porque ele não deu certo na primeira vez.

Abraham Linconl é um referencial para nós nessa questão, pois perdeu a mãe aos 9 anos de idade, abriu dois negócios e faliu, candidatou a política e perdeu, candidatou de novo e virou deputado mas no ano seguinte sua noiva faleceu, no ano seguinte teve uma crise depressiva,  foi derrotado para as eleições para deputado federal, perdeu as eleições do congresso por três vezes consecutivas, derrotado para vice-presidente, depois foi derrotado no senado, mas foi eleito o 16º Presidente Americano. A derrota de Linconl era tão conhecida que lhe apelidaram de “Senhor derrota”, mas ele venceu pois era persistente, assim nós o devemos ser, pois na perseverança, ganharemos nossa alma.

4.       Precisamos ser cautelosos:

Lemos no versículo que o homem escondeu o tesouro, não espalhou a todo mundo. Isso nos ensina uma lição: Selecionar aqueles com quem compartilhamos nosso tesouro. Nós sabemos que os evangelhos relatam a maioria de coisas que Jesus fez e ensinou, mas não a totalidade, sabemos que ele ensinou multidões, mas revelou segredos a somente poucos como os setenta, os doze,   quando o segredo era profundo revelou somente a três (Pedro, Tiago e João). (Jo. 21:25; Mc. 4:10-12; Jo. 15:15)

Jesus ensinava coisas particulares a seus discípulos que ele não ensinava a multidão. Deus não sai por aí compartilhando revelações da sua palavra com qualquer um e nós a sua semelhança também não deveríamos sair por aí compartilhando nossos tesouros com qualquer um.

Aprendemos as verdades que esse versículo nos ensina vejamos agora o que o tesouro requer de nós:

1.       Observação, diligência, percepção aguçada:

Ver o que ninguém mais vê, fazer o que ninguém mais faz. Quando a Soluti foi inaugurada em Goiânia, a certificação digital por lá era algo improvável, algo inimaginável, contudo o seu fundador, alguém visionário, viu o que ninguém mais viu e hoje a Soluti está em quase todo o território nacional.

2.       Discrição, Sigilo:

Jesus compartilhou sua vida com 70 pessoas (Lc. 10:1), seu relacionamento com 12 (Mc. 3:13-15), sua intimidade com 3 (Mt. 17:1,2). Muitos dos discursos de Jesus foram ditos a uma única pessoa: (O novo Nascimento – Nicodemos; a água da vida – Mulher Samaritana; a luz do mundo – Mulher pecadora [Jo 3;4;8]).

Jesus não saiu por aí divulgando tudo, isso foi ordenado aos apóstolos: “o que eu lhes disse aos ouvidos publiquem dos telhados” – Mt. 10:27

3.       Renúncia, Abnegação, Abdicação:

O homem que adquiriu o campo vendeu seus bens. Jesus deixou sua glória. Eliseu deixou sua família, Abraão sua parentela, Moisés o palácio do Egito... Todos os homens de Deus abandonaram algo que lhes custasse em prol do reino (2 Sm. 24:24). Verdade bem expressa pelo apóstolo Paulo em 1 Co. 9:27.

4.       Atitude:

O apóstolo Luiz Hermínio diz algo interessante sobre atitude: A única coisa que caiu do céu foi o diabo, não cai mais nada de lá. Se nós queremos ter um jardim, agora precisamos plantar e cultivar um”. O último mandamento do Senhor a igreja foi um mandamento que exige atitude: Ir por todo mundo começando por Jerusalém pregando o evangelho.

O homem teve atitude de vender seus bens, de correr atrás de compradores de seus bens e do vendedor do campo.

Diante de tudo isso, quais são alguns tesouros que podemos encontrar:

1.       Deus (Jó 22:25)
2.       Sabedoria  ou Inteligência (Pv 2:3,4)
3.       Justiça (Pv 10:2)
4.       Temor do Senhor (Is 33:6)

Diante disso, o que esse tesouro gera em nossas vidas? (Is 33:6)

1.       Estabilidade (Espiritual, moral, física, econômica, familiar, profissional, ministerial)
2.       Salvação (individual, coletiva)
3.       Conhecimento (Natural , espiritual)
4.       Alegria (Mt. 13:44) (interna e eterna)

Como então encontrar esse tesouro escondido? (Pv. 2:1-4)

1.       Aceitando a Palavra – Se Deus disse assim é assim e ponto final
2.       Ouvindo a Palavra – Mensagens, livros, cds, dvds
3.       Clamando (confessando) a Palavra – oração
4.       Buscando a Palavra, conhecimento – Seminário, culto, célula (2 Pe 3:18)

Conclusão: Há uma promessa dada por Deus a Israel que mediante Cristo é nossa: Dar-te-ei os tesouros escondidos e as riquezas encobertas para que saibas que eu sou o Senhor, o Deus de Israel  que te chama pelo teu nome (Is 45:3). Vamos em busca desse tesouro!

domingo, 8 de janeiro de 2012

DEUS FAZ MAIS

E Israel disse a José: Eu não cuidara ver o teu rosto; e eis que Deus me fez ver também a tua descendência. (Gn  48:11)
No Novo Testamento existem alguns versículos que dizem que Deus faz mais do que a gente pensa ou pede, que Deus é quem opera em nossa vida tanto o querer como o realizar e que todas as coisas cooperam para o bem daquele que ama a Deus. Essas verdades espirituais estiveram presentes na vida de Jacó.
Em um momento de sua vida, ele foi a uma cidade chamada Padã-Arã apenas possuindo um cajado e retornou para Canaã em dois grupos, ele foi a Padã-Arã sozinho, regressou tendo mulheres, filhos e bens.
Ele foi a Padã-Arã em inimizade com seu irmão Esaú, no regresso ambos se reconciliaram. Apesar de toda defraudação que Jacó causou e recebeu, o bom plano de Deus para ele se cumpriu.
No versículo em destaque, vemos que Jacó não esperava mais ver José, porque na sua adolescência José foi  vendido por seus irmãos como escravo aos midianitas e aos egípcios, e entre o momento que José foi vendido e quando encontrou seu pai se passaram treze anos.
Jacó não esperava ver sequer José, mas “Deus o fez ver também a sua descendência”. Nesse versículo em destaque podemos ver que:
·         Todas as coisas cooperam para o bem daquele que ama a Deus;
Se os irmãos de José não o tivessem vendido como escravo aos midianitas e egípcios, no momento em que houve uma fome a nível mundial, certamente a descendência de Jacó morreria.  O próprio José atesta que para conservação da vida, Deus o enviou ao Egito.
·         Deus faz mais que aquilo que nós pensamos ou pedimos;
Jacó foi a Padã-Arã com o propósito de fugir de seu irmão e regressou de Lá muito melhor. Jacó pensava que jamais veria o rosto de José outra vez, mas Deus o fez ver seus netos também.
·         Aquele que começou a boa obra em nós a completará;
Hoje nós vemos a perfeição de Deus na vida de José, mas se fossêmos nós que passássemos o que ele passou, certamente pensaríamos: “Será que Deus se lembra de mim?” Deus não deixa nada inacabado, ele começou, ele completará. Hoje eu tenho convicção que tudo aqui é passageiro, tudo menos os valores eternos que ele gera em nós...
E Israel disse a José: Eu não cuidara ver o teu rosto; e eis que Deus me fez ver também a tua descendência  foi a declaração de Jacó, e a semelhança do patriarca, nós podemos dizer: “Senhor, tu me surpreendes a cada manhã”. Louve a Deus PELA FÉ, INDEPENDENTE DE TUDO O QUE ESTEJA ACONTECENDO E DEUS FARÁ, POIS “FIEL É QUEM NOS CHAMA E QUEM TAMBÉM O FARÁ”...

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

O valor da influência


Abraão foi um grande influenciador em sua época, ele influenciou de tamanha forma porque era influenciado pela palavra de Deus. Hoje falaremos do valor da influência, isso porque:
1.       A nossa influência pode libertar aqueles que estão próximos a nós; (Gn. 14)
Todo o Antigo Testamento é sombra do que Jesus fez no Novo Testamento, sendo assim a influência de Abraão na vida de Ló, tipifica a influência de um cristão na vida daqueles que estão próximos a ele. É interessante dizer que o único que a bíblia relata que escapou da batalha em que Ló foi aprisionado veio até Abrão, o Hebreu e lhe contou o ocorrido. É digno de nota que o fugitivo conhecia a influência de Abrão.
Está provado que quando se anda demais com alguém, certas características são transmitidas. A nossa conduta é transferível, se somos livres, poderemos libertar e produzir libertadores, se somos curados, poderemos curar e produzir médicos. Se somos apascentadores do rebanho, poderemos reproduzir isso em outras vidas.
Como está sua influência? Você tem sido influenciado ou tem influenciado a outros?
2.       Deus reconhece a nossa influência; (Gn. 16)
Em certo momento da vida, Abraão recebeu uma escrava egípcia e teve um filho com ela. Sara se sentido humilhada e menosprezada com isso a humilhou e ela fugiu da casa de Abraão, contudo o Anjo do SENHOR a encontrou “junto a um poço no deserto” e lhe disse: “Vai, torna-te a Sarai, sua senhora”.
Deus reconhecia o direito que Sara tinha sobre Agar, isto é, reconhecia a influência de Sara em Agar. Deus sabe quais são as pessoas que mais serão influenciadas por você e por isso, você deve zelar para que essa influência seja nas maiorias das vezes uma boa influência!
3.       Nossa influência influencia até cidades; (Gn 18-20; 23)
Devido a pecados, Deus estava resolvido a destruir Sodoma, Gomorra e cidades próximas, mas Ló estava em Sodoma, Deus não permitiu a destruição de Sodoma até que Ló saísse de lá e quando Ló saiu de Sodoma, Deus poupou a cidade chamada Zoar por causa de Ló. Da mesma forma, Deus só trouxe saúde a cidade de Abimeleque quando Abraão orou. De semelhante modo, os filhos de Hete,  se reuniram para ouvir a Abraão. Quando você é um influenciador, pessoas ouvem o quem influencia.
Quando o Senhor Jesus disse para irmos e fazermos discípulos pregando o evangelho a todo mundo começando por Jerusalém, o Senhor Jesus dizia que a nossa influência deve ser mundial, universal, internacional, regional, municipal... Aonde é que você influencia?