sábado, 29 de junho de 2013

Não ultrapassem o que está escrito...

Recentemente ouvindo uma pregação de um renomado pastor, teólogo e D.D. ele disse que “Na bíblia, há quatro nazireus: Sansão, Samuel, João Batista e Jesus”. Porém, Jesus não era Nazireu.

Nazireu – Hebraico: “Nazir, Neser”; Grego: “Nazoraios” (Consagrado).

Nazireu é toda aquela pessoa que se consagra a Deus por meio de voto, seja no nascimento ou voluntariamente, seja por toda a vida ou por certo período de tempo específico. Todo Nazireu deveria abster de beber vinho ou qualquer outra bebida fermentada, deveria abster-se de qualquer coisa proveniente da Parreira, deveria abster-se de ir a qualquer funeral e tocar em qualquer cadáver.

Sansão foi consagrado por Deus desde o ventre;
Samuel foi dedicado à Deus desde o ventre;
João Batista foi consagrado por Deus desde o ventre;

Jesus nunca foi nazireu, por algumas razões:

1. Jesus ao se comparar com João Batista disse que João Batista tinha uma vida Austera, já ele “comia e Bebia” – Lucas 7:33-34

Isso não significa que João Batista vivia jejuando sempre, afinal, a bíblia diz que João se alimentava de gafanhotos e mel silvestre (Mateus 3:4).

Significa que João Batista não bebia vinho e Jesus o bebia, prova disto é que o primeiro milagre que Jesus fez publicamente foi justamente transformar água em vinho (João 2:1-11).

2. Jesus tocou no leproso de Mateus 8:1-4

Todo nazireu estava proibido pela Lei de se contaminar e tocar em morto era cerimonialmente impróprio, o que tornava alguém nazireado impuro. Já o leproso disse: “Senhor, se quiseres, podes purificar-me”, Está escrito que Jesus tocou nele e disse: “Quero, seja limpo”!

3. Nunca houve no Nascimento Virginal de Jesus qualquer alusão ao voto de Nazireado;

Quando Sansão, Samuel e João Batista nasceram foi dito que eles deviam abster-se do vinho e outras coisas mais. Já Jesus, nunca foi dito tal coisa.

A bíblia diz que devemos examinar todas as coisas e reter tudo o que bom, inclusive pregações.

Isso é o que o Pr. Antonio Evangelista chama de “Enlatados Bíblicos”. Hoje há uma variedade de livros próprios para o estudo acurado da Bíblia como “O que a Bíblia não diz, mas muitos mestres dizem”; “O que a Bíblia permite, mas muitas igrejas proíbem”; “O que a bíblia não diz – lendo a bíblia com mais atenção”; “Como entender os textos mais polêmicos da bíblia”; “Explicação de textos difíceis” ;“Voltando com urgência para a Bíblia”;... Quanta Infinidade!!

Devemos ser como os Judeus Bereianos que segundo Atos 17, examinavam toda a Pregação apostólica à Luz da Escritura.

Uma dos pilares da reforma é “Somente a Escritura”, que qualifica a Escritura como único padrão de regra para nossa fé e prática. Voltemos para a Bíblia... SOLA SCRIPTURA!!

Como diz o Pr. Antonio Evangelista "Ler a Bíblia com atenção não dói nada"

terça-feira, 4 de junho de 2013

A necessidade de vigilância espiritual (Parte 2) - Mateus 25:1-13

Introdução: Vemos nesse texto seis atitudes que nos levam a ser uma igreja prudente. Somos prudentes quando estamos:

1.     Cuidando bem do nosso espírito – Alimentando-O da Palavra

O nosso espírito é a candeia de Deus (Pv. 20:27), todas as virgens tinham suas candeias prontas, o que diferenciou as prudentes das tolas foi o que elas colocaram na sua candeia (no seu espírito). O nosso espírito tem se alimenta tanto quanto o nosso corpo, porém o alimento dele é fazer a vontade do Pai (Jo. 4:34) o alimento dele é a Palavra (Jr. 15:16).

2.     Ajustando o nosso foco de vida com o foco de Deus

A nossa visão de mundo é a nossa candeia (Mt. 6:22), a maneira de como enxergamos à vida vai refletir no nosso relacionamento com Deus. Conta-se uma história de uma garota que tinha enterrado seu cachorrinho no quintal de casa e que havia uma janela no seu quarto que se dirigia justamente para a cova do cachorro e havia outra janela no seu quarto que se dirigia para um belo jardim e que seu avô não agüentando mais vê-la chorar pelo cachorrinho, mostrou-lhe o belo jardim. Com o passar do tempo a garotinha esqueceu-se do Cachorro, porque tirou seus olhos da cova onde estava o cachorro.

3.     Praticando nossa fé

Fé é comportar-se segundo a Palavra de Deus (Pr. Éber Rodrigues). Fé é uma ação correspondente que recebeu o que Deus nos falou (Pr. Éber). a candeia são nossas obras (Mt. 5:16), nossa obra é resultado da nossa fé (Tg. 2:14-26).

4.     Estando em Comunhão – O “Partir do Pão”

O óleo fala da Comunhão – Sl. 133:1-3. A Igreja Primitiva vivia em Comunhão (Koinonia – Tudo em Comum a Todos). É melhor serem dois do que um (É melhor ter comunhão) Ec. 4:9-12. Jesus enfatizou a importância da comunhão em Mt. 18:15-20. Deus é um Deus de Comunhão (2 Co. 13:14 – Tri-Unidade)

Óleo fala da Alegria – Sl. 45:6-7. Alegria é fruto do Espírito (Gl. 5:22-23) é também fruto de um 
relacionamento sadio entre irmãos. Alegria é sinônimo e resultado de comunhão

5.    Protegendo a Unção

1 Sm. 16:12-13 fala que o óleo é sinônimo da Unção de Deus. Precisamos protegê-la do pecado, das heresias, do mundanismo, permanecendo nos ensinos de Deus (1 João 2:27)

6.     Aceitando o Confronto dado por Deus

Sl. 141:5 mostra que o óleo fala da repreensão dada. Deus disciplina quem ele ama (Hb. 12:6-10; Ap. 3:19). O Senhor é Pastor, Pastor corrige ovelha.

Deus nos trata individualmente (Mt. 25:5-9), há coisas que devemos fazer individualmente como cuidar do nosso espírito, ajustar nosso foco, praticar nossa fé, aceitar a correção de Deus. Porque o juízo e a recompensa serão algo individual (Rm. 14:11-12; Jr. 17:10). Mas há coisas coletivas também, porque somos inter-dependentes uns dos outros (Rm. 12:3-8; 1 Co. 12:12) como ter comunhão, guardar a unção.

 Conclusão: É tempo de alinhamento, discernimento e derramamento tanto individualmente quanto coletivamente como Igreja. Alinhamento com o Céu, Discernimento do tempo e derramamento de lágrimas diante de Deus. É tempo de Ação. 

sábado, 1 de junho de 2013

A Necessidade da Vigilância Espiritual - Mateus 25:1-13


Entendendo o Contexto histórico do Texto em questão – Mateus 25:1-4:

Na cultura da época, um casal ao noivar fazia promessas um ao outro na casa do pai da noiva, logo em seguida, o casal seguia junto com uma multidão para a casa do pai do noivo onde haveria uma festa que durava aproximadamente uma semana. No Oriente devido ao calor celebra-se as bodas apenas à noite. As “dez virgens” ou “dez damas de honra” tinham o dever de receber o noivo que se aproxima da casa da noiva e conduzi-lo até a casa da noiva como era uma cerimônia realizada a noite era preciso que tais moças tivessem ‘lamparinas’ acesas durante o percurso, pois na Palestina só é possível caminhar à noite provido de lamparinas acesas. Depois que o casal se encontra, todos juntos, inclusive as ‘damas de honra’, as ‘moças’ iam para a casa do pai do noivo para a celebração da festa.
Os rabinos reconhecem a importância da festa nupcial impondo que qualquer pessoa poderia abandonar a Leitura da Lei para festejar.

a.      A aplicação do número dez:

Dez é o número da intereiza; são dez os mandamentos, contamos dez dedos nas duas mãos e nos dois pés juntos, eram necessárias dez pessoas para iniciar a sinagoga, o dízimo (a décima parte) pertence a Deus, são dez as cordas da harpa, portanto, Jesus está se referindo a algo total, a algo pleno. Todos devem estar preparados e cheios do Espírito Santo de Deus.

b.     A aplicação do óleo:

A maioria dos exegetas concorda que o óleo fala do Espírito Santo, portanto, o que caracteriza uma pessoa prudente é “começar, continuar e terminar no Espírito” (Zc. 4). Outros exegetas concordam que óleo fala da Palavra de Deus (Sl. 119:105).

A Lâmpada é o nosso espírito recriado (Pv. 20:27), nossas obras (Mt 5:16)

c.      A aplicação das Virgens:

“Virgem” tem sentido literal no NT em passagens como: Mt 1:23; Lc 1:27; At 21:9; 1 Co 7:25,28,34,36-38 e figurado em passagens como: 2 Co 11:2

A palavra virgem no sentido figurado é dirigido a Noiva de Cristo (2 Co 11:2)

Interpretação e Aplicação da Parábola:

A Parábola tem algumas advertências para a Igreja e para Israel:

1.     A preparação deve ser algo individual – Mateus 25:5-9

O julgamento será individual (Rm. 14:11-12; 2 Co. 5:10), a manifestação da intenção do coração será individual (1 Co. 4:5), a recompensa será individual (Jr.17:10). Ninguém pode orar por você, jejuar por você etc.

2.     Há certas coisas que não podemos deixar para obter no último momento – Mateus 25:5-9

Um estudante não pode se preparar para exames na última hora; o homem desempregado não pode se preparar para a entrevista na última hora. O homem não pode se preparar para a vida eterna na última hora.

3.     Devemos nos preparar para qualquer enventualidade – Mateus 25:5-9

Era comum no Oriente que o Noivo se atrase, porque o atraso indica que ele está negociando um presente de qualidade tanto para a Noiva quanto para seus parentes. Se ele trouxesse um presente de pequena qualidade isso indicaria que ele não valoriza a noiva e nem seus familiares. O fato era que o atraso era esperado e as virgens negligenciaram esse atraso não trazendo óleo em suas vasilhas. O Grande teste para o Crente é o tempo. As virgens adormeceram depois de longo tempo de espera. A bíblia nos conclama a ser longânimes. Prudente é aquele que edifica sua casa na Rocha, no Senhor Jesus (Mt 7:24-27)

Como nos preparamos diante de qualquer eventualidade?

1.     Pela Palavra de Deus – Seu estudo, sua meditação, sua audição

·        Palavra de Deus é geradora de vida (João 6:63)
·        Palavra de Deus é geradora de fé (Romanos 10:17)
·        Palavra de Deus é armadura de Deus (Efésios 6:17)
·        Palavra de Deus é geradora de vitória (Apocalipse 12:11)

2.     Pelo Espírito Santo – Seu batismo, Enchimento e Complitude
(Efésios 5:18-21)

·        Meditando na Palavra – Salmos
·        Cantando – Hinos
·        Gratidão a Deus
·        Sujeição a  Deus e ao próximo

3.     Por conhecer o Senhor – Intimamente e Individualmente

O idioma grego do NT apresenta duas palavras para “Conhecer”, uma se refere a um conhecimento objetivo, mental, da alma (Ginosko) e uma se refere a um conhecimento subjetivo, espiritual, mais intenso (oido). Oido é ter Revelação. Esse é o anseio de Paulo (Fp. 3:10), a promessa de Deus é que todos o Conhecerão (Hb. 8:11). Conhecer é ter relacionamento pessoal e prático.

Conclusão: Amós 4:12b – preparemo-nos para encontrar com Deus conhecendo-O através da Palavra e do Espírito Santo com uma vida de oração e jejum em total dependência do Espírito Santo.