quinta-feira, 22 de maio de 2014

TEOLOGIA SISTEMÁTICA: UMA INTRODUÇÃO

Recentemente concluímos algumas postagens sobre a História da Igreja; e agora sentimos a necessidade de falar um pouco sobre Teologia, especialmente a Teologia Sistemática; dada a atual carência de muitos cristãos sérios de um arcabouço doutrinário sadio. Antes de mais nada, informamos que nossa abordagem será essencialmente reformada.

 Primeiramente, vamos definir os termos:

Teologia → Uma palavra composta. Derivada de dois termos gregos "Theos" e "Logia". Theos significa "Deus", Logia significa "Estudo". Teologia é então o "estudo" acerca de Deus. Melhor traduzido como "O assunto acerca de Deus".

Sistemática →  Quando aplicada a Teologia, Sistemática significa que estudamos as doutrinas nos moldes gerais da Escritura e sem nos restringirmos a um livro específico. Quando estudamos um tema específico em um livro específico da Bíblia, esse estudo recebe o nome de "Teologia Bíblica." Quando estudamos o Ser de Deus, por exemplo, estudamos seu caráter, suas obras, seus atributos, seus nomes, sua Tri-Unidade etc; dentro de toda a Bíblia, percorrendo de Gênesis a Apocalipse. Teologia Sistemática, cobre um assunto em toda a Bíblia.

Por que devemos estudar Teologia?

1. A Bíblia nos estimula a tanto


Todo pregador mencionado nas Escrituras, dedicou-se ao estudo sério da Teologia, ainda que essa nomenclatura não seja mencionada no Livro Sagrado.  Esdras foi um escriba "versado na Lei de Moisés" (Esdras 7:6). Daniel dedicou-se ao estudo na Lei (Daniel 9:1-2). O Salmista (Salmo 1:2-3) nos estimula a meditar (estudar) a Lei do Senhor.

Jesus na grande Comissão deu-nos ordem para ensinarmos os neófitos (Mateus 28:19-20). Alguns dos apóstolos foram profetas e mestres (ou professores) na igreja primitiva [Atos 13:1]. Nas cartas, o apóstolo Paulo menciona o dom de 'ensino' (Romanos 12:7). Um dos dons/ofícios permanentes do Espírito à Igreja.

2. A História da Igreja nos estimula a tanto

Grandes estudiosos de Teologia se levantaram ao longo dos séculos, principalmente no período patrístico. Temos o exemplo de Ambrósio, Agostinho de Hipona, Orígenes, João Crisóstomo, Gregório de Nissa, Tertuliano, Irineu de Lião e tantos outros.

Grandes estudiosos de Teologia se levantaram também na época da Pré-Reforma. Temos os exemplos dos Lollardos, dos Valdenses e alguns mais.

Grandes estudiosos de Teologia se levantaram na época Reforma e pós-Reforma. Temos os exemplos de Martinho Lutero, Erasmo de Roterdã, Ulrico Zuinglio, João Calvino, Martin Bucer, Jacó Armínio, Jonathan Edwards, John Owen, Charles Spurgeon, Karl Barth.

Grandes estudiosos de Teologia se levantaram na época moderna. Temos os exemplos A. G. Simonton,  Louis Berkhof, John Stott, John Piper, Billy Graham, Augustus Nicodemus (IPB), Hernandes Dias Lopes (IPB), Héber Campos Jr (IPB)., Claudionor de Andrade (AD), Antonio Gilberto (AD), Paulo B. R. Anglada (IPB) entre tantos outros não mencionados.

3. As heresias, seitas/modismos nos obrigam a tanto

Desde o seu nascimento,  a Igreja têm enfrentado adversários tanto vindos de fora (saduceus, fariseus, herodianos, Romanos) quanto de dentro (Ebionitas, Marcionistas, Arianos, Judaizantes, Docetistas, etc). Os de fora causavam perseguição, os de dentro corrupção. 

Martinho Lutero, o grande reformador do séc. XVI diz que as heresias são o açoite de Deus, os quais ele usa para despertar sua Igreja. É notável a veracidade dessa afirmação; Aramis C. de Barros diz que "nos primeiros vintes anos, a Igreja ficou restrita a Jerusalém". Foi necessário que a perseguição se estabelecesse para que a Igreja despertasse para as missões. O apóstolo Pedro diz em sua primeira carta que nós devemos saber responder sabiamente a qualquer que nos pedir razão da nossa fé (1 Pedro 3:15). Quando Pedro diz "razão", pode ser traduzida como "defesa", daí vem o nosso termo apologia. É necessário que estudemos para que saibamos responder sabiamente a qualquer que nos pedir razão da esperança que há em nós. (Vide Colossenses 4:6)

4 Ajuda-nos a evitar os erros teológicos

O rev. Hernandes Dias Lopes diz que a história pode ser nossa coveira ou então nossa pedagoga, podemos aprender com seus erros ou repeti-los. Reconheço que ao longo de mais de 2.000 anos de tradições, muitos acertaram e erraram. Reconheço que nem sempre é fácil decidir por um caminho seguro e ortodoxo.
Mas, a História da Teologia está aí para nos instruir melhor. Podemos beber de fontes fidedignas e piedosas. Podemos observar e imitar o exemplo de vários homens e mulheres de Deus, cheios do Espírito, que tiveram vidas piedosas.

Através da Teologia podemos comparar nossas opiniões e interpretações com outras opiniões e interpretações, evitando assim que caiamos em erros teológicos graves.

Como estudar seriamente Teologia Sistemática?

O rev. Augustus Nicodemus ensina que é impossível lermos a Bíblia sem algumas "lentes", e por "lentes" entendemos alguns princípios, alguns pressupostos teológicos. Alguns desses pressupostos básicos são:

1. Crer na Inspiração Plenária e Verbal da Bíblia;

Os teólogos liberais insistem em dizer que a Bíblia não é a Palavra de Deus, que ela é cheia de mitos. Insistem em dizer que o Espírito Santo de Deus não inspirou os escritores humanos no que escrever e quais palavras empregarem ao escreverem. Mas, nós, cristãos confessamos que ela é a Palavra de Deus, inspirada por Ele, nas suas doutrinas e nas suas terminologias. (2 Timóteo 3:15-17)

É necessário fazer uma observação aqui. Quando dizemos que a Bíblia toda é inspirada, inerrante, autoritativa, estamos nos referindo essencialmente aos escritos originais, aqueles dos quais saíram da pena dos profetas e dos apóstolos. Os famosos autógrafos, dos quais, todos se perderam. Mas, graças a Deus, pelas descobertas arqueológicas, que tem comprovado cada vez mais, a exatidão da Bíblia.

2. Crer na Literalidade da Bíblia;

Os teólogos liberais insistem em ensinar que o relato de Jonas na barriga do grande peixe é uma lenda. Bem como a crucificação do Senhor foi apenas um desmaio. Ora, sabemos que a morte do Senhor e sua ressurreição é de importância fundamental para nossa fé. É necessário crer na literalidade da ressurreição dos mortos, no juízo vindouro, no arrebatamento dos santos e todos os outros artigos essenciais da fé.

3. Uma vida piedosa;

A Teologia não tem como finalidade apenas aumentar nosso conhecimento, mas transformar nossa vida. Nenhum teólogo estava à toa quando explicou a doutrina, mas os conceitos teológicos surgiram num contexto no qual era necessário refutar falsos ensinos, elucidar a doutrina. Nenhum teólogo ficava pensando em quantos anjos cabem na ponta de um alfinete como diz Roger Olson.

Paulo ao longo de seus escritos, faz ousadas advertências a Timóteo para que ele (e também, vários de seus companheiros) cuide de sua vida e da doutrina (1 Timóteo 4:16). É como se Paulo dissesse: "Timóteo, tenha conhecimento, mas tenha piedade." Incisivo é o fato que o termo piedade ocorra várias vezes nas cartas pastorais. (1 e 2 Timóteo e Tito).

4. Senso critico;

Gosto muito do Livro "E a Bíblia não diz" do Pr. Antonio Evangelista, porque nele, o referido autor diz que nossa geração está se alimentando de enlatados bíblicos. Nossa geração perdeu o costume de examinar o que é dito no púlpito, no facebook, nos livros, nos dvd's etc. Costume esse que era prática em Israel (Deuteronômio 13:1ss; Isaías 8:19ss) e também na Igreja (Atos 17:11ss; 1 Tessalonicenses 5:17-21; 1 João 4:1ss; 1 Coríntios 14:29ss). E partir desse senso reter o que se harmonizar melhor com as Escrituras.

5. Ler bastante;

Todo pregador deve ser um estudante enquanto viver. Se os elefantes são adestrados, os pregadores podem ser ensinados a pregar (Erasmo de Roterdã). O rev. Hernandes Dias Lopes ensina que alguém que tenha vocação pastoral e não gosta de ler, muito provavelmente deve revisar essa chamada. O importante aqui é não sair engolindo tudo o que está nos livros, mas julgar o que está sendo dito.

Quais são as áreas cobertas pela Teologia Sistemática que abordaremos aqui?

Uma ressalva importante aqui é que não tencionamos cobrir todo o escopo teológico. Haverá matérias intencionalmente omitidas, devido ao tempo que dispomos a escrever e por estarmos aprendendo constantemente e revisando nossos conceitos constantemente. Como li no livro de Howard Hendricks  "Quem pára de aprender hoje, pára de ensinar amanhã". Reservamo-nos ao direito de excluir ou incluir matérias ao longo das publicações.


  • Teontologia - A pessoa, obra, atributos e nomes de Deus Pai
  • Cristologia - A pessoa, obra, atributos e nomes de Deus Filho
  • Pneumatologia [Paracletologia] - A pessoa, obra, atributos e nomes de Deus Espírito Santo
  • Trindade de Deus - Um Deus que é tanto Uno como Trino
  • Hamartologia - A entrada e a conseqüência do pecado no mundo 
  • Soteriologia - A ordo Salutis, A Expiação, a durabilidade da salvação
  • Eclesiologia - A fundação da Igreja Cristã e os seus sacramentos e forma de governo 
  • Escatologia - A Bíblia e o fim dos tempos (Visão Amilenista)
  • Hermenêutica - Princípios de Interpretação da Bíblia Sagrada (Versão Resumida)
  • Homilética - Princípios de Pregação e Prédica Cristã
  • Teodiceia - Como um Deus Justo e Bom pode permitir a presença do mal no mundo? 
  • Credos de Fé (Atanásio, Niceno-Constantinopolitano, Apostólico)
  • Bibliologia - Formação do Cânon e sua miraculosa preservação
  • Conclusão: Uma pincelada em Apologética e Arqueologia Bíblicas

PREVISÃO DE INCIO DO 'CURSO GRATUITO'

Ainda não temos em mente uma data prevista para o incio das publicações, mas nos disponibilizamos a enviar por e-mail a apostila das matérias aos interessados quando elas estiverem prontas. Interessados envie o e-mail para prjuniormlpudi@gmail.com

Deus os abençõe,

Marcos Júnior.

sábado, 17 de maio de 2014

Aprenda a descansar em Deus

Texto: Mateus 6:24-34

Introdução: A vida cristã é comparada a uma maratona (1 Co. 9:24), a uma academia (1 Tm. 4:7,8 – onde no grego: Exercite-se significa Ginásio), a uma olimpíada (Hb. 12:2 – onde no grego desembaraçando-nos se refere ao costume de passar óleo no corpo para estar livre para a competição), o que nos leva a estarmos surrados e sobrecarregados (Mt. 11:28 – onde no grego: Cansado significa surrado pela vida) sabendo desse fato, o Senhor Jesus nos convida sempre a descansar nele mesmo (Mt. 11:29-30)

Essa perícope traz para nós algumas lições importantíssimas sobre quais são os fundamentos pelos quais podemos aprender a descansar nas mãos onipotentes de Deus.

Gostaria de baseado nessa perícope percorrer com você, os quatro princípios para descansar nas mãos onipotentes de Deus que são:

1.     Entenda a doutrina bíblica da Providência – Mt. 6:25-30

A Bíblia é um livro recheado de doutrinas. Temos a doutrina da Criação que afirma que Deus é o criador de todas as coisas (Gn. 1:1; Hb. 3:4), logo em seguida, temos a doutrina da Providência que ensina que Deus sustenta todas as coisas criadas em ordem, dirige todas as coisas criadas para um propósito final e cuida de todos os seres vivos com sua Palavra (Hb. 1:3; Rm. 8:28; Pv. 16:4)

Não cremos em azar ou sorte, não cremos em determinismo fatal, cremos num Deus soberano que conduz a História de acordo com o conselho da sua vontade (Ef. 1:11);

Saiba que esse mundo não será um eterno caos, sua vida não será um eterno caos, Deus estará ajeitando as coisas segundo o conselho da vontade dele e no tempo por ele determinado. Deus pode e até usa os malefícios que nos acontecem para o nosso bem (Gn. 50:20; Ne. 13:2). Martinho Lutero costumava dizer “O diabo é o diabo de Deus”. Deus usa até o diabo para cumprir o seu plano na nossa vida. Exemplo disso é Jó. 

Deus é o Rei soberano do Universo que está na condução de todas as coisas para o seu determinado fim. Deus está conduzindo a Igreja para os novos céus e nova terra (Ap. 21:1), Deus está conduzindo o mundo para sua restauração (At. 3:21; Rm. 8:19-21), Deus está conduzindo o diabo e seus anjos para o fogo eterno (Mt. 25:41). Deus não está de braços cruzados, Deus está trabalhando providencialmente! (Jo. 5:17)

 Deus cuida de todas as suas criaturas. Ele dá alimento aos pássaros, ele aformoseia os lírios, ele vestiu de roupas o homem. Você não consegue se manter vivo, sem que haja uma palavra de Deus. É o fôlego do Todo-Poderoso que te dá vida (Jó 33:3; Gn. 2:7). O Homem não pode receber coisa alguma se do Céu não lhe for dada (Jo. 3:27). Deus está cuidando de você e de mim assim como um marido cuida de seu corpo e de sua esposa (Ef. 5:25)

2.     Lembre-se do Conhecimento de Deus – Mt. 6:32

Nós falamos muito sobre o conhecimento de Deus, mas esquecemo-nos de que esse conhecimento é:

·        Grande – Rm. 11:33
·        Instantâneo – Mt. 6:8
·        Universal – Pv. 15:3; Mt. 10:29
·        Pessoal – Jr. 1:4-5

Deus sabe das nossas necessidades e em Cristo, de acordo com o conselho da sua vontade, nos ensina como agir para que ele venha a suprir cada uma delas (Fp. 4:19).

Quando Pedro negou conhecer o Senhor Jesus, o Senhor o antecipou dizendo: “Satanás pediu para peneirar vocês como o trigo, mas Pedro eu roguei por você para que você não desfaleça” (Lc. 22:31ss). Deus não se esqueceu de você ou do problema que você enfrenta hoje, Deus está usando esse momento como escola e o Santo Espírito é o seu professor.

3.     Lembre-se da Generosidade de Deus – Mt. 6:33

Deus nos dá tudo gratuitamente (Rm. 8:32), o seu conselho é pedi e dar-se-vos-á (Mt. 7:7), Pedi sabedoria (Tg. 1:6). De sorte que o Evangelismo é um mendigo ensinando outro mendigo onde encontrar pão (Spurgeon). Somos mendigos que estamos á porta da casa do rico para encontrarmos pão da vida (Lc. 16:19-31). 

Esse Deus que é dono de tudo o que há (Sl. 24:1) não é egoísta (Jó 34:14-15). Nós que somos esquecidos, sofremos de amnésia espiritual. Lembramo-nos facilmente de nossas queixas e problemas, mas esquecemo-nos muito facilmente da grandeza e misericórdia de Deus (Lm. 3:19-21)

4.     Saiba da efemeridade do Problema – Mt. 6:34

A Bíblia diz que as misericórdias do Senhor se renovam a cada manhã (Lm. 3:22), mas não os nossos problemas, eles são apenas diários. Note que Jesus disse “a cada dia, o seu mal”. O nosso grande problema é que nós revalidamos diariamente os nossos problemas e esquecemos propositadamente da misericórdia quando deveria ser o inverso disso.

Jesus disse ainda em Mt. 24:35 que o céu e a terra passariam, o que certamente envolve nossos problemas, mas sua palavra de consolo permaneceria (Rm. 15:4). O teu problema seja qual for, tem limite, mas a palavra de Deus não. O choro dura uma noite, a alegria vem pela manhã (Sl. 30:5)


Conclusão: Descansemos à sombra do Onipotente Deus, sabendo Deus cuida da gente, nos está levando a glória, e que ele mantém nossa vida nos mínimos detalhes. Descanse no Deus da Providência.

terça-feira, 13 de maio de 2014

História da Igreja no Brasil - Conclusão teologia Dogmática.

HISTÓRIA DA IGREJA: A IGREJA NO BRASIL

Antes de começarmos efetivamente o nosso estudo sobre a Igreja Evangélica no Brasil, faremos um sumário dos links relacionados ao assunto:

1.HISTÓRIA DA IGREJA: A IGREJA APOSTÓLICA
2.HISTÓRIA DA IGREJA: A IGREJA APOSTÓLICA REAGE AS HERESIAS
3.HISTÓRIA DA IGREJA: A PERSEGUIÇÃO CONTRA A IGREJA
4.HISTÓRIA DA IGREJA: IGREJA DEIXA DE SER PERSEGUIDA E TORNA-SE IMPERIAL
5.HISTÓRIA DA IGREJA: IGREJA MEDIEVAL - PRELÚDIO DA REFORMA
6.HISTÓRIA DA IGREJA: A IGREJA É REFORMADA
7.HISTÓRIA DA IGREJA: A IGREJA ENTRA NA MODERNIDADE (IGREJA MODERNA)


Historia da Igreja – Conclusão: A Igreja no Brasil

A ENTRADA DO CATOLICISMO ROMANO E AS TENTATIVAS FRUSTRADAS DO PROTESTANTISMO.

O primeiro contato evangelístico feito em nosso solo, foi feito pelos irmãos católicos romanos ainda em 1500 no descobrimento da nação; porém, não lograram êxito na jornada pela vida escandalosa que viviam. A Igreja Católica decidiu então em 1549 enviar para cá a companhia de Jesus que com a presença do padre Manoel da Nóbrega conseguiu implantar em nossas terras o catolicismo romano.

 José de Anchieta foi fundador da santa casa de misericórdia do Rio de Janeiro. A primeira população portuguesa no Brasil contava com seis jesuítas.

Várias tentativas evangelísticas protestantes foram feitas desde tempo muito remoto;

A primeira tentativa se deu quando Villegaignon enviou cartas a João Calvino pedindo-lhe que enviasse missionários reformados ao Brasil. No dia 07 de março de 1557, aportaram no Rio de Janeiro, catorze missionários huguenotes que viram seu trabalho florescer e logo começaram uma igreja. Eles celebraram a Ceia do Senhor no Brasil no dia 21 de Março de 1557.

No entanto, houve perseguição aos calvinistas e o próprio Villegaignon se vendeu e entregou os demais missionários, alguns dos quais retornaram e os remanescentes foram mortos por estrangulamento.

A segunda tentativa se deu no século XVII, no nordeste, pela igreja reformada holandesa; essa igreja fundou um presbitério e sínodo, criou escolas, hospitais, orfanatos; Havia igrejas em Olinda, Recife, Ceará e Paraíba; no entanto, a perseguição romana veio e desfez com sucesso o trabalho protestante.

O século XVIII é marcado pelo silêncio profético no Brasil. Era época da Inquisição, uma senhora chamada Teresa Paes de Jesus, de 65 anos, foi queimada viva por sua fé evangélica; André Barros de Miranda, de 81 anos, morre no cárcere. Muitos outros morreram por terem sangue judeu.

A RADICAÇÃO PERMANENTE DO PROTESTANTISMO NO BRASIL 
DO SÉCULO XIX.

O Brasil tem sido ricamente abençoado por meio da obra missionária. Henry Martin, quando aqui esteve, em Salvador no estado da Bahia, quando de passagem para a Ásia, disse: “Bem-aventurado aquele que evangelizar esse país”.

Essa ‘profecia’ de Henry Martin veio a cumprir-se; Pelo tratado de Comércio com a Inglaterra em 1810, por D. João II, como pela Constituinte de 1823 e a Carta Constitucional de 1824 por D. Pedro I, ficou assegurada no Brasil, a liberdade religiosa. Sendo que agora, o protestantismo se radicou aqui na seguinte seqüência:
1.     Igreja Anglicana – Chegou no Rio de Janeiro em 1819 com o rev. Lord Strangford.
2.     Igreja Metodista – Chegou no Rio de Janeiro em 1836 com o rev. Justin Spaulding, junto com alguns outros espalharam Bíblias, tratados teológicos e Novos Testamentos.
3.     Igreja Luterana – Em 1824 já haviam luteranos no alto do Jequitibá em Minas Gerais, porém oficialmente veio em 1845 com o rev. Neumann
4.     Igreja Congregacional – Chegou ao Brasil ao Rio de Janeiro em 1855 com o rev. Robert Kalley e sua esposa Sarah P. Kalley, que é a compositora de muitos hinos que cantamos hoje. Robert e Sarah fundaram a Igreja Evangélica Fluminense.
5.     Igreja Presbiteriana – Chegou ao Rio de Janeiro em 1859 com o rev. A. G. Simonton que veio para cá aos 26 anos de idade. Teve um ministério de apenas oito anos.
6.     Igreja Batista – Chegou em Salvador em 1881 com os pastores William Bagby e Taylor. Hoje são 1 milhão de membros.
7.     Igreja Episcopal – Chegou no Rio Grande do Sul em 1890 com os pastores Lucien e Watson.
8.     Igreja Assembléia de Deus – Depois do avivamento da rua azuza em 1906, dois missionários vieram pra cá e estabeleceram-na aqui. Ordem Pentecostal.
9.     Igrejas Neo-Pentecostais – Brasil para Cristo – Manoel de Melo
Igreja Deus é amor – David Miranda
Igreja Universal do Reino de Deus – Edir Macedo
Igreja Internacional da Graça de Deus – R. R. Soares

AS PERSEGUIÇÕES PÓS RADICAÇÃO:

Os colportores foram heróis de Deus na evangelização, percorreram nosso pais de Norte a Sul, de leste a oeste. Todavia isso não impediu que sofressem horrenda perseguição como se vê a seguir:

O rev. Matitias G. dos Santos enfrentou em Alto Jequitibá a oposição, com homens armados e oração, sendo por isso, cognominado de Neemias da Zona da Mata.

A Igreja Presbiteriana de Santa Margarida sofreu chuva de pedradas enquanto os fiéis reunidos cantavam “Chuva de bênçãos”;

A Igreja Presbiteriana de São José do Calçado – Espírito Santo, teve seu templo incendiado cinco dias após a inauguração.

Em 1921, o padre Otto Maria, atiçou o povo contra o pastor André J. em aparecida do Norte, São Paulo. O pastor foi preso e o templo incendiado.

EM MEIO A REVESES, DEUS DÁ CONQUISTAS MEMORÁVEIS.

Um acontecimento que deu grande impulso ao trabalho daqueles dias (quando A. G. Simonton veio ao Brasil) foi a conversão do padre José Manoel da Conceição. Homem que se distinguiu por sua erudição e operosidade. Convenceu-se pelo Estudo da Bíblia que a Igreja de Roma havia afastado dos ensinos de Cristo. Foi ordenado ministro presbiteriano.

Álvaro Reis, notável pregador presbiteriano, eloqüente, levou muitas almas a Cristo Jesus. Eduardo Carlos Pereira, pedagogo, autor de varias gramáticas, foi notável pregador do Evangelho.

Podemos extrair algumas lições importantes desse estudo:
1.     Históricos e Pentecostais trabalharam lado a lado no Brasil
2.     Deus usa até os reveses para o progresso de sua obra
3.     Como disse Tertuliano: “O sangue dos mártires é a sementeira do Evangelho, o Evangelho envolve renúncia.
4.     O Brasil tem sido extremamente abençoado por Deus.

Que Deus nos abençoe e ajude.

Fontes

1.      Panorama da História Cristã – Hernandes Dias Lopes
2.     Fundamentos da Teologia Histórica  Alderi S. Matos
3. História da Igreja Cristã – Jesse L. Hurlbut
4.     Curso de Capacitação Teologica.


quarta-feira, 7 de maio de 2014

O CRISTÃO E A POLÍTICA





O CRISTÃO E A POLÍTICA

Queridos Leitores, não nos esquecemos do compromisso que temos de concluir a série temática sobre "História da Igreja", agora em pauta "A História da Igreja no Brasil". Mas nesse ano de eleição política, ano importantíssimo para o futuro da nossa nação, optei por publicar algo relacionado ao assunto antes da conclusão da série de Teologia Dogmática. 


A Igreja de Cristo é sal da Terra e luz do mundo, como tal devemos ter um posicionamento político sadio. Deus usando o profeta Jeremias nos fala assim: "Busquem a paz da Cidade a qual habitam, porque com a sua paz, vocês terão paz."


"A Igreja de Cristo só deve obediência à Jesus Cristo e reconhece que a Jesus Cristo foi dada não apenas parte, mas toda autoridade no céu e na terra. Ela (Igreja) não pode subtrair-se da missão de proclamar sua soberania em todos os domínios da vida, inclusive a política e a ideologia" - BIÉLER André, A força oculta dos protestantes, p. 191-2 Ed. Cultura Cristã, 1999.


A Bíblia fala sobre Política - José no Egito, Neemias, Daniel foram homens de Deus na política. Os provérbios estão cheios de recomendações a respeito de um governo justo. As epístolas paulinas trazem alguns conselhos sobre autoridade civil e o trato que devemos ter para com elas. Vê-se, pois, que o cristão está intimamente relacionado com politica, e com tristeza de alma, muitos estão nem aí para o rumo que nossa república está tomando. Pensam tanto na Eternidade que esquecem o terreno.  Vamos ponderar um pouco mais a respeito disto.



Reflitamos naquilo que o Rev. Hernandes Dias Lopes, pastor titular da 1ª Igreja Presbiteriana de Vitória (ES) tem a nos dizer.

Em Cristo, seu companheiro na aflição, no Reino e na perseverança de Jesus Cristo