sexta-feira, 16 de junho de 2017

Quem tem medo do Espírito Santo? - Daniel Wallace

Resultado de imagem para anti-intelectualismo






"Embora os carismáticos às vezes dê maior prioridade à experiência do que ao relacionamento, os evangélicos racionalistas dão maior prioridade ao conhecimento do que ao relacionamento. Ambos perderam o alvo. E Paulo em 1 Coríntios, condena ambos. O conhecimento incha; e a experiência espiritual sem amor é inútil. [...] Por mais chocante que possa parecer para muitos no círculo cessacionista, a Bíblia não é membro da Trindade. [...] o efeito líquido dessa bibliolatria é a despersonalização de Deus. Eventualmente, não nos relacionamos mais com Ele. Deus se torna o objeto de nossa investigação e não o Senhor a quem estamos sujeitos. A vitalidade de nossa religião é sugada. À medida que Deus é dissecado, nossa posição muda de "Eu confio em ..." para "Eu acredito que...” [...] Deus ainda é um Deus de cura, embora eu pense que seu meio normal não é através de um curandeiro de fé. Deus cura o exercício da fé, não pelo poder dos curadores da fé. O problema com alguns carismáticos é que eles acreditam que Deus não só pode curar, mas que ele deve curar. Deus torna-se assim um instrumento, exercido pelo cristão todo-poderoso. Ao mesmo tempo, o problema com os não-carismáticos é que, embora afirmemos que Deus pode curar, agimos como se não o fizesse. Eu realmente não penso em acreditar na habilidade de Deus - nós realmente não acreditamos que Deus possa curar. Assim, o problema com os carismáticos é a negação da soberania de Deus; O problema com os não-carismáticos é a negação da habilidade ou da bondade de Deus ou ambos. [...]
O racionalismo evangélico pode levar à deserção espiritual. Estou me referindo à sufocação do Espírito no treinamento teológico de pós-graduação, bem como à sedução da academia. A maioria dos professores de seminário pode pensar em exemplos de jovens estudantes talentosos que mentores, que parecem ter perdido toda a sua convicção cristã em um ambiente acadêmico. Para muitos de nós, essa lembrança é terrivelmente dolorosa. Quantas vezes enviamos Daniels para a guarida dos leões, apenas para dizer a eles por nossas ações que a oração não fará nada de bom?
[...] Não são apenas as evidências históricas que podem levar a abraçar a ressurreição como verdadeira. O Espírito deve trabalhar em nossos corações, superando nossa reticência natural. Quando nossos graduados continuam para o trabalho de doutorado, e esquecem que o Espírito os trouxe a Cristo em primeiro lugar, e suprimem seu testemunho em seus corações, eles estão aptos para a deserção espiritual. Precisamos lembrar - especialmente aqueles de nós que vivemos em um ambiente acadêmico - que a exegese e a apologética não são a soma da vida cristã.


[...] Algum tempo atrás, um dos meus alunos morreu de câncer. Outro estava prestes a morrer. Comecei a pedir aos alunos do seminário que orem pela intervenção de Deus. O Senhor não respondeu a nossa oração da maneira que esperávamos. Brendan também morreu. Minha própria dor aumentou quando vi seus três pequenos filhos desfilarem diante dos lamentadores em seu serviço memorial. Através das mortes, tragédias e sofrimentos que parecem ser "par para o curso" de ser cristão e parecem abundar Para a família do seminário, aprendi sobre o sofrimento e a honestidade com Deus. Perguntei a Deus e ainda o fiz. Fora da minha dor - dor para esses alunos e suas famílias, dor para meu filho, dor para mim mesmo - veio honestidade e crescimento. Tenho momentos em que duvido da bondade de Deus. No entanto, não duvido que tenha sofrido por mim muito mais do que jamais sofrerei por ele. E essa é a única razão pela qual eu o deixo segurar minha mão através deste vale escuro. Ao procurar o poder de Deus, eu descobri sua pessoa. Ele não é apenas onipotente; Ele também é o Deus de todo o conforto. E, levando-nos pelo sofrimento, não é um dos principais meios que o Espírito usa hoje para nos levar a Deus. (11) Finalmente, uma pergunta: para o que o Espírito testemunha? Certamente a ressurreição de Cristo. E as escrituras? Uma interpretação particular talvez? Problemas escatológicos? Problemas exegéticos? Não seja muito rápido para responder. Parte disso precisa repensar ... Na verdade, o desafio para cada um de nós é o seguinte: reexaminar o ensino do Novo Testamento sobre o Espírito Santo. Não examine as passagens, mas lute com o que elas significam. Se o Espírito não morreu no primeiro século, então, no mundo que ele está fazendo hoje? Em conclusão, para meus amigos carismáticos, eu digo: Não devemos evitar o sofrimento como se fosse necessariamente maligno, pois não podemos abraçar Cristo em Sua ressurreição além de abraçá-lo em sua morte. Para meus amigos cessantes: Não devemos anestesiar nossa dor enterrando nossas cabeças no texto, como se uma experiência semi-gnóstica da Bíblia resolva de algum modo o enigma de nossa miséria.

"Eu estava com raiva de Deus e eu achei que Ele estava bastante distante. Aqui estava esse menino precioso que estava perdendo o cabelo e perdendo peso. Em um ponto ele pesava apenas 45kg. Seu irmão gêmeo naquela época pesava 85kg. Andy estava tão fraco que tivemos que carregá-lo em todos os lugares, até ao banheiro. Através dessa experiência, descobri que a Bíblia não era suficiente. Eu precisava de Deus de maneira pessoal - não como um objeto do meu estudo, mas como amigo, guia, confortador. Eu precisava de uma experiência existencial do Santo. Francamente, descobri que a Bíblia não era a resposta. Eu achei que as Escrituras eram úteis - até mesmo de forma útil - como um guia. Mas sem sentir Deus, a Bíblia me deu pouca consolação. No meio deste "verão do inferno", comecei a examinar o que se tornou da minha fé. Eu achei um desejo de me aproximar de Deus, mas me achei incapaz de fazê-lo através dos meus meios normais: exegese, leitura das escrituras, mais exegese. Eu acredito que eu tinha despersonalizado tanto Deus que, quando eu realmente precisava dEle, eu não sabia como me relacionar. Eu desejei por ele, mas encontrei muitas restrições de toda a comunidade no meu ambiente cessacionista. Eu procurei por Deus, mas tudo o que encontrei foi uma sufocação do Espírito na minha tradição evangélica, bem como no meu próprio coração. Eis que essa experiência do câncer do meu filho me trouxe de volta aos meus sentidos, que me trouxe de volta a minhas raízes"


Tradução: Heloniel Jazer